Exercícios sobre Gestão de Pessoas nas Organizações

Vamos ao melhor simulado, que são os exercícios? Os 33 primeiros itens são itens de provas recentes do Cespe (deste ano e do ano passado), enquanto os demais da lista são os itens que vimos ao longo da aula.

Item 1. A teoria motivacional da equidade reconhece que os indivíduos julgam a quantidade absoluta de suas recompensas organizacionais, não só pelos seus esforços, mas também pela recompensa obtida pelos outros em face dos insumos por eles empregados.

Item 2. Considere que um gestor de pesquisas de determinado órgão governamental da área de saúde, em vez de se esforçar para solucionar problemas e definir novas metas mais desafiadoras, idealiza ser influente e controlar os outros integrantes da sua unidade. A sua preferência é atuar em situações competitivas voltadas para o status, e ele se preocupa mais com o prestígio decorrente dos resultados e da influência sobre os outros. Com base na teoria das necessidades de McClelland, esse indivíduo possui a necessidade de afiliação como a mais preponderante.

Item 3. A motivação de um indivíduo inserido em uma organização tem relação direta com a intensidade de esforços que ele emprega, por isso indivíduos motivados geram resultados favoráveis para a organização.

(Cespe / Detran 2009) Julgue os itens a seguir, acerca de motivação e satisfação no trabalho.

Item 4. Políticas da empresa, salários e condições de trabalho são fatores higiênicos ou de satisfação no trabalho. Esses pressupostos estão de acordo com a teoria desenvolvida por McGregor, denominada teoria Y.

Item 5. Valência, na teoria da expectância de Vroom, está relacionada à força de atração de um resultado almejado por um indivíduo.

Item 6. Na abordagem motivacional de estabelecimento de metas, há um ciclo motivacional que inclui valores pessoais, as próprias metas, os feedbacks provenientes da auto-avaliação e da avaliação de gerencial e o desempenho das ações relacionadas às metas.

Item 7. (Cespe / Detran 2009) Segundo a teoria da contingência de Fiedler, a liderança está atrelada à pessoa do líder e à situação.

Item 8. (Cespe / TCU 2009) O administrador público, buscando atuar alinhado com um estilo de liderança pautado em pressupostos de motivação propostos por Maslow, deve assegurar, como primeiro aspecto que motivará o seu subordinado, a garantia de atendimento das necessidades que geram o comprometimento e a satisfação do grupo no trabalho.

Item 9. (Cespe / TCU 2009) Considerando a teoria dos dois fatores de Hezberg, existem duas formas de motivar os empregados: uma pautada em uma ação mais dura, voltada apenas para aspectos financeiros (fator X), e outra mais participativa, voltada para aspectos de socialização (fator Y).

Item 10. (Cespe / MPS 2010) A teoria de Maslow cita as necessidades humanas como uma pirâmide, fazendo um paralelo com uma hierarquia. Na base dessa pirâmide, encontram-se as necessidades básicas ou fisiológicas e o pressuposto é: uma necessidade, em qualquer ponto da hierarquia, precisa ser atendida
antes que a necessidade do nível seguinte se manifeste.

Item 11. (Cespe / Embasa 2010) De acordo com as teorias motivacionais, as necessidades variam de indivíduo para indivíduo e produzem diferentes padrões de comportamento. Geralmente, estão relacionados a um desejo e(ou) direcionados a um objetivo.

Item 12. (Cespe / Embasa 2010) Uma necessidade satisfeita não é motivadora de comportamento, pois apenas necessidades não satisfeitas influenciam o comportamento, embora duas necessidades possam, conjuntamente, orientar a ação das pessoas, fato que enfraquece a ideia de hierarquia de necessidades.

Item 13. (Cespe / TRT 17ª Região 2009) Na teoria motivacional de Vroom, expectância ou expectativa é o componente da força motivacional relacionado ao valor que o indivíduo atribui às consequências de uma ação.

Item 14. (Cespe / TRT 17ª Região 2009) Segundo a teoria motivacional de McClelland, há três tipos de necessidades humanas: o poder, a afiliação e a realização.

Item 15. (Cespe / TRE PR 2009) Segundo a teoria de motivação humana, de Herzberg, as pessoas não podem subir para o próximo nível de necessidade até que os níveis abaixo sejam preenchidos.

(Cespe / Banco da Amazônia 2010) Julgue os itens subsequentes, relativos à motivação e à liderança.

Item 16. Se o gerente de uma agência bancária com 35 funcionários do quadro, 10 terceirizados e 5 estagiários adotar uma postura única como forma de motivar seus colaboradores, essa conduta estará de acordo com os pressupostos da teoria de Maslow.

Item 17. A preocupação do gerente de uma agência bancária com a salubridade do ambiente de trabalho identifica-se com os aspectos motivacionais propostos na teoria de Herzberg.

Item 18. A implantação de um novo plano de remuneração que contemple um aumento substancial no salário dos colaboradores de uma organização vai ao encontro dos fatores extrínsecos propostos na teoria de Herzberg.

Item 19. A adoção de um controle rigoroso por parte de um gerente sobre seus colaboradores, por entender que estes são desmotivados e dependem de uma liderança forte, identifica-se com os pressupostos da teoria X proposta por Douglas McGregor.

Item 20. Na atualidade, inexiste situação que comporte a aplicação da liderança autocrática no âmbito de uma organização, pois essa é uma teoria sem aplicabilidade prática.

Item 21. (Cespe / Banco da Amazônia 2010) Segundo o modelo contingencial de liderança de Fiedler, a relação entre líder e liderados diz respeito à camaradagem e à preocupação pessoal do líder com seus liderados.

(Cespe / FUB 2009) Acerca da motivação e da liderança nas organizações, julgue os itens seguintes.

Item 22. A motivação exige a descoberta e o entendimento das necessidades e dos desejos dos empregados para que os comportamentos sejam canalizados em direção ao desempenho das atividades.

Item 23. Metas eficazes necessitam não apenas serem compreendidas, como também aceitas.

Item 24. Liderança é o processo de influenciar e apoiar outras pessoas para que elas trabalhem entusiasticamente para a obtenção de determinados objetivos.

Item 25. Uma liderança bem sucedida depende mais dos traços pessoais do que de comportamentos, habilidades e ações apropriados.

Item 26. Os líderes participativos abordam alguns empregados e pedem suas contribuições antes de tomarem as decisões, sem, no entanto, descentralizarem a autoridade.

Item 27. (Cespe / FUB 2009) Liderança não tem influência nas relações interpessoais exercidas em determinada situação, mas é dirigida por meio do processo da comunicação humana à consecução de um ou de diversos objetivos específicos.

Item 28. (Cespe / FUB 2009) Estilos de liderança referem-se aos estilos de comportamento do líder em relação aos seus subordinados, isto é, maneiras pelas quais o líder orienta sua conduta. Há três estilos de liderança: autoritária, liberal e democrática.

Item 29. (Cespe / MPS 2010) O estilo de liderança adotado por uma organização influi direta e indiretamente em seus resultados. No caso da liderança orientada para tarefas, a autocracia e o autoritarismo são características marcantes. Já no estilo de liderança voltado para as pessoas, as características são democracia e participação dos funcionários.

(Cespe / Embasa 2010) Liderança é a influência interpessoal exercida em determinada situação e dirigida, por meio do processo da comunicação humana, à consecução de um ou de diversos objetivos específicos. Com relação às teorias de liderança, julgue os próximos itens.

Item 30. A teoria dos traços de personalidade baseia-se no pressuposto de que certos indivíduos possuem uma combinação de diversos traços de personalidade, que, ao serem analisados, permitem que sejam identificados líderes potenciais.

Item 31. Segundo essas teorias, os estilos de liderança podem ser classificados em autoritário, liberal e democrático.

Item 32. (Cespe / ANAC 2009) Douglas MacGregor desenvolveu as teorias X e Y. Segundo tal conceituação, a teoria X parte do pressuposto de que as pessoas teriam aversão ao trabalho e à responsabilidade, preferindo ser dirigidas, demandando, portanto, um tipo de liderança que privilegia o controle, ao passo que o pressuposto da teoria Y seria de que as pessoas são criativas, têm
propensão a gostar do trabalho e, portanto, rendem melhor quando submetidas a um tipo de liderança que incentive a motivação e a perspectiva de valorização profissional e pessoal.

Item 33. (Cespe / MS 2009) O modelo de liderança situacional proposto por Hersey e Blanchard, integrante da abordagem comportamental, vincula a competência e a motivação como elementos importantes do processo de liderança, além de reconhecer que a maturidade dos subordinados define o comportamento do líder mais orientado para a tarefa ou para o relacionamento.

Item 34. (Cespe / Serpro 2005) Uma vez que o comportamento humano é multideterminado, a busca de explicações para comportamentos organizacionais deve ser realizada levantando informações de diversos possíveis preditores.

Item 35. (Cespe / Anvisa 2004) O relacionamento indivíduoorganização é marcado por trocas e reciprocidades. Percepções individuais favoráveis acerca da reciprocidade do relacionamento indivíduo-organização estão associadas positivamente a satisfação e comprometimento afetivo no trabalho.
Item 36. (Cespe / Banco da Amazônia 2006) O comprometimento organizacional diz respeito ao vínculo do indivíduo com o seu trabalho. O estudo desse fenômeno revela uma multiplicidade de tipos de comprometimento com o trabalho, o emprego, a carreira, a equipe, o sindicato e com a organização.

Item 37. (Cespe / CNPQ 2003) A aplicação gerencial da teoria de Skinner evidencia-se na busca de modificação do comportamento humano por meio do reforço positivo ou negativo, tendo em vista que, na teoria do condicionamento, o comportamento é influenciado pelo ambiente.

Item 38. (Cespe / TJBA 2003) Compreendendo a motivação a partir da teoria do condicionamento e do reforço operante, os gerentes buscam aumentar a probabilidade de os comportamentos serem mantidos, a partir de reforços positivos, como o reconhecimento e as promoções.

Item 39. (Cespe / TRE-AL 2004) A questão ética constitui um fator de crítica à teoria motivacional abordada por Skinner.

Item 40. (Cespe / TJBA 2003) A teoria da hierarquia das necessidades constitui uma das principais teorias da motivação e tem como um de seus pontos positivos o fato de se apoiar intensamente em pesquisa empírica. Maslow, além de ter fornecido substanciação empírica para a sua teoria, acreditava que, à medida que necessidades de baixa ordem fossem atendidas, as necessidades de alta ordem tornar-se-iam dominantes.

Item 41. (Cespe / MCT 2004) Necessidades buscadas pelos indivíduos na organização não são, de acordo com Maslow, organizadas de modo hierarquicamente seqüencial.

Item 42. (Cespe / Serpro 2005) No quarto nível da hierarquia de Maslow — necessidade de estima — estão as necessidades de amor, afeição e de relacionamento com outras pessoas.

Item 43. (Cespe / UEPA 2008) Segundo Maslow, em sua teoria sobre a hierarquia das necessidades, diversas categorias de necessidades podem manifestar-se simultaneamente.

Item 44. (Cespe / Ministério da Ciência e Tecnologia 2004) Segundo a teoria de motivação ERC de Alderfer, mais de uma necessidade pode ativar o comportamento ao mesmo tempo.

Item 45. (Cespe / Cearáportos 2004) A teoria ERG (necessidades existenciais, de relacionamento e de crescimento) de Alderfer busca aperfeiçoar a teoria das necessidades humanas de Maslow e adaptála para o entendimento das necessidades das pessoas no trabalho.

Item 46. (Cespe / SAAE 2003) Os dois fatores da teoria de Herzberg, os higiênicos e os de motivação, estão relacionados à insatisfação e à satisfação no trabalho, respectivamente.

Item 47. (Cespe / Serpro 2005) De acordo com a teoria dos dois fatores de Herzberg, são considerados exemplos de fatores higiênicos: salário, supervisão, relacionamento com colegas de trabalho e políticas organizacionais. Esses fatores promovem a motivação para o trabalho.

Item 48. (Cespe / UEPA 2008) Segundo a Teoria de Hezberg (teoria dos dois fatores), um servidor público pode estar satisfeito na função que desenvolve, a despeito do salário recebido.

Item 49. (Cespe / INSS 2008) De acordo com a teoria bifatorial de Herzberg, os fatores higiênicos são intrínsecos ao trabalho e são os responsáveis pela motivação e pela satisfação no trabalho.

Item 50. (Cespe / TCU 2007) As metas de trabalho definidas para os funcionários devem ser de baixa complexidade para que eles não sintam receio de conseguir alcançar o que foi estabelecido.

Item 51. (Cespe / TRE-AL 2004) Não existe relação entre o desempenho e a motivação do indivíduo e o estabelecimento de metas nas organizações.

Item 52. (Cespe / Câmara dos Deputados 2003) A administração por objetivos (APO) é um exemplo da aplicação da teoria de determinação de metas e, como componentes básicos, conta com a especificidade de meta, a tomada de decisão unilateral, um período de tempo explícito e feedback sobre o desempenho.

Item 53. (Cespe / TJDFT 2008) Segundo a teoria da eqüidade de Adams, as pessoas são motivadas a alcançar uma situação de justiça ou igualdade em suas relações com outras pessoas e com as organizações onde trabalham. Essa procura pela igualdade inclui o uso de mecanismos como mudança nas contribuições que o indivíduo oferece à organização e abandono temporário ou definitivo da situação.

Item 54. (Cespe / SGA – SEDF 2003) Segundo a teoria da eqüidade, a motivação de um empregado reduz o absenteísmo quando as comparações entre os seus insumos e resultados se equivalem aos insumos e resultados dos outros empregados.

Item 55. (Cespe / Terracap 2004) A teoria motivacional da expectativa de Vroom concebe a motivação como uma força de natureza emocional e consciente, que é ativada no momento em que um indivíduo é levado a escolher entre diversos cursos de ação. A escolha seria função de três variáveis: valência, expectativa e instrumentalidade.

Item 56. (Cespe / SGA-SE-DF 2002) O absenteísmo está intrinsecamente ligado à motivação, e a teoria da expectância prevê a motivação como um resultado da expectativa, da instrumentalidade e da valência.

Item 57. (Cespe / STF 2008) No enfoque comportamental na administração, de acordo com a teoria da expectativa, acredita-se que o esforço produz o desempenho e este, o resultado, ao qual as pessoas atribuem valores. Desse modo, a motivação estaria assim representada: motivação = expectativa (de que o esforço produz o resultado) × valor atribuído ao resultado.

Item 58. (Cespe / TRE-RS 2003) De acordo com a teoria da expectativa, um empregado estará motivado a aplicar alto nível de esforço quando ele acreditar que esse esforço levará a uma boa avaliação de desempenho e não que essa avaliação levará a determinadas recompensas.

Item 59. (Cespe / Anvisa 2004) A famosa teoria de McGregor supõe dois tipos de concepção sobre a natureza da relação homem-trabalho.

A primeira, denominada teoria X, apóia-se em três princípios: o homem tem aversão ao trabalho; precisa ser controlado e punido para que se esforce no trabalho e cumpra os objetivos organizacionais; evita responsabilidades, pois está interessado apenas na sua própria segurança pessoal e financeira. A teoria Y, por outro lado, baseia-se em visão mais otimista da relação homemtrabalho.

O indivíduo, segundo essa teoria, quer desenvolver-se, procura responsabilidades, é capaz de autodirigir-se e de colocar a sua criatividade a serviço da organização.

Item 60. (Cespe / Câmara dos Deputados 2003) McGregor propõe duas visões distintas de seres humanos: uma negativa, a chamada de teoria y e outra positiva, a teoria x. De acordo com a teoria y, empregados não gostam de trabalho, evitam responsabilidades e, por isso, devem ser coagidos para atingirem as metas. De acordo com a teoria x, uma pessoa comum pode aceitar responsabilidades, os empregados podem ver o trabalho como sendo algo tão natural quanto o lazer, e as pessoas exercitariam auto-orientação e autocontrole se estivessem comprometidas com os objetivos organizacionais.

Item 61. (Cespe / INSS 2008) A liderança exercida em decorrência de qualidades natas do líder é denominada liderança liberal.

Item 62. (Cespe / DFTRANS 2008) A liderança autocrática tem como foco a automatização dos processos de trabalho e o compartilhamento das decisões com os membros da equipe.

Item 63. (Cespe / INSS 2008) Na liderança democrática, a equipe tem total liberdade para tomar decisões e a intervenção do líder é mínima.

Item 64. (Cespe / PGE-PA 2006) Liderança não pode ser imposta pela organização, pois se trata de um atributo que depende apenas das características do líder.

Item 65. (Cespe / TRE-RS 2003) De acordo com o modelo contingencial desenvolvido por Fiedler, o líder eficaz é aquele que possui características especiais que o distinguem dos seus liderados, o que se denomina teoria dos traços.

Item 66. (Cespe / Terracap 2004) Com relação a liderança situacional, de Hersey e Blanchard, é correto afirmar que são enfatizados especialmente os seguidores.

5. Gabarito

1. Item certo. A teoria da equidade é uma teoria motivacional focada em uma comparação feita pelo indivíduo. Ele compara os esforços que emprega e resultados que alcança com as recompensas que recebe da organização, mas também compara isso com os esforços e resultados de outros trabalhadores e com as recompensas que esses outros trabalhadores recebem. A motivação dele, de acordo com esta teoria, varia conforme a percepção de justiça resultante de tal comparação.

2. Item errado. A teoria das necessidades de McClelland prevê que há três tipos de necessidades humanas: necessidade de realização, necessidade de poder e necessidade de afiliação. A situação descrita no item refere-se a um indivíduo em que prepondera a necessidade de poder. Ele está continuamente preocupado com poder, status, influenciar os outros. A necessidade de afiliação, por outro lado, é aquela em que o indivíduo investe em seus relacionamentos interpessoais.

3. Item errado. O item é correto até a palavra “emprega”. O erro está em afirmar que indivíduos motivados geram resultados favoráveis.

Isso é desmentido quando, por exemplo, um indivíduo altamente motivado e com orientações incorretas gera muitos resultados medíocres. Outro exemplo seria o indivíduo que está motivado para inovar, mas não recebe suporte organizacional ou apoio para fazê-lo.

A motivação é um dos requisitos para o bom desempenho, mas há outros, como o planejamento das atividades a serem realizadas, as competências necessárias, apoio organizacional para alcançar o resultado, disponibilidade dos recursos necessários etc.

4. Item errado. A teoria desenvolvida por McGregor denominada teoria Y diz que o indivíduo é automotivado e o gestor deve investir em pressupostos como descentralização, autonomia, promoção da inovação e das competências (nada a ver com os pressupostos descritos!). O início do item também está errado, pois os fatores higiênicos são ditos de insatisfação (isso na teoria Bifatorial de Herzberg).

5. Item certo. Valência é o ato em que o indivíduo julga, inclusive positiva ou negativamente, os resultados que decorrerão de uma ação.

6. Item certo. Ele faz referência ao ciclo da motivação proveniente da abordagem do estabelecimento de metas de Locke. Com os valores, desejos e crenças individuais, serão estabelecidas as metas (objetivos). Em seguida, serão realizadas as ações e será alcançado um desempenho. Os resultados poderão ou não gerar satisfação. A seguir, há a etapa de feedback (retroalimentação do sistema), que pode envolver avaliação gerencial ou mesmo autoavaliação.

7. Item certo. A teoria de Fiedler é uma das abordagens contingenciais ou situacionais da liderança.

8. Item errado. A teoria das necessidades de Maslow diz que deveriam ser atendidas as necessidades do menor nível não satisfeito. Como os níveis de necessidades não se manifestam simultaneamente, é necessário atender primeiro as necessidades fisiológicas, depois as de segurança, as sociais, as de estima e finalmente as de autorealização.

9. Item errado. A abordagem das teorias X e Y descritas no item remetem à teoria de McGregor, não de Herzberg. A teoria bifatorial de Herzberg opõe fatores higiênicos (insatisfacientes e exteriores ao trabalho) com fatores de satisfação ou intrínsecos ao trabalho.

10. Item certo. Segundo a teoria de Maslow, temos uma pirâmide em que, na base, estariam as necessidades fisiológicas, depois as de segurança, as sociais, as de estima e finalmente as de autorealização.

Não poderiam, segundo tal abordagem, dois níveis se manifestar ao mesmo tempo. Assim, para um ponto na hierarquia se manifestar, é necessário que o ponto anterior esteja atendido.

11. Item certo. As necessidades são variadas e resultam em diferentes comportamentos. Na preparação para o concurso, por exemplo, alguns podem ter ânimo para estudar todos os dias, enquanto outros ficam desanimados e nem estudam todo dia. No caso das teorias da motivação, elas prevêem que o nível de motivação tem forte relação com um desejo ou objetivo.

12. Item certo. A teoria da hierarquia das necessidades de Maslow sofre fortes críticas e possui pouca aplicação na realidade organizacional. Sabemos que duas necessidades diferentes podem orientar uma mesma ação, fato que contesta o pressuposto de Maslow de que dois níveis de necessidades diferentes não podem se manifestar ao mesmo tempo.

13. Item errado. O valor que o indivíduo atribui às conseqüências de uma ação é o componente denominado valência. A expectância é a capacidade de visualizar, antecipadamente, a relação entre esforços e resultados. Envolve a probabilidade que o indivíduo atribui ao resultado realmente suceder o esforço.

14. Item certo. Quando prepondera a necessidade de realização, o indivíduo busca sucesso pessoal, alcance de resultados e investimento para crescer profissionalmente e ganhar autonomia.

15. Item errado. A teoria descrita no item é a da hierarquia das necessidades de Maslow.

16. Item errado. Caso o referido gerente adotasse os pressupostos da teoria de Maslow, ele deveria buscar descobrir em qual nível de necessidades (fisiológicas, de segurança, de relacionamento, estima e realização) cada categoria e cada indivíduo está. Para cada nível de necessidades seria estabelecida uma postura. No referido exemplo, é perfeitamente possível imaginar que há categorias que ganham menos, estão em uma situação profissional diferente e, pelo quadro de referência de Maslow, teriam necessidades diferentes.

17. Item errado. Na teoria de Herzberg, os aspectos motivacionais são aqueles instrínsecos ou interiores ao trabalho. Aspectos de salubridade são exteriores ou higiênicos.

18. Item certo. Os fatores extrínsecos são aqueles exteriores ao trabalho, tal como o salário.

19. Item certo. A teoria X é aquela que vê as pessoas como desmotivadas, preguiçosas, avessas ao trabalho. É o famoso chicote:

segundo esta abordagem, os gerentes devem adotar controles rígidos e uma liderança forte.

20. Item errado. Hoje em dia, sabemos que a aplicação do estilo de liderança depende da situação. A liderança autocrática, aquela centralizada no líder e em que não há participação dos liderados nas decisões, ainda está presente em importantes processos, por exemplo nas decisões militares.

21. Item errado. Este modelo diz que o desempenho resulta da relação entre a situação, o controle que o líder tem sobre ela e o estilo de liderança adotado.

22. Item certo. As teorias da motivação nada mais são do que o reconhecimento, por parte da organização, da importância do comportamento humano. Sabe-se que as pessoas são influenciadas por inúmeros fatores, inclusive subjetivos, e as teorias da motivação buscam entender as necessidades e desejos e as formas de direcioná-las ao desempenho desejado.

23. Item certo. Um dos pressupostos da teoria da determinação de metas é que as metas devem ser aceitas pelos colaboradores, e não simplesmente impostas pela chefia.

24. Item certo. Liderança é o exercício da influência sobre outras pessoas. Na organização, queremos estruturar um sistema de liderança que favoreça comportamentos desejados para o alcance de objetivos e metas.

25. Item errado. A concepção de que a liderança depende de traços pessoais é denominada teoria dos traços. Hoje em dia sabe-se que tal teoria está errada e a liderança depende de inúmeros fatores do líder e dos liderados, bem como de cada situação.

26. Item errado. O líder, quando busca ser participativo, deve descentralizar a autoridade, dar autonomia e capacidade de decisão às pessoas.

27. Item errado. Item confuso, né? Logo no início poderíamos ver que o gabarito é “errado”, pois obviamente a liderança tem influência importante nas relações interpessoais e nos conflitos em uma organização.

28. Item certo. Este era fácil, vimos em aula estes estilos de liderança.

29. Item certo. Na liderança orientada para as tarefas há menos participação dos liderado. Por outro lado, na liderança orientada para as pessoas o líder escuta os membros da equipe e há efetiva participação das pessoas nos processos.

30. Item certo. Teoria dos traços é uma teoria ultrapassada, segundo a qual existem traços de personalidade e características inatas que levam a uma melhor liderança. Assim, para identificar os líderes potenciais, bastaria analisar o conjunto ou estoque de traços dos candidatos.

31. Item certo. De novo os três estilos de liderança, vocês têm que entendê-los E decorá-los!

32. Item certo. MacGregor desenvolveu as teorias X e Y. Segundo a teoria X, o indivíduo é preguiçoso e naturalmente avesso ao trabalho, o que exige controle e direção da liderança. A teoria Y, por sua vez, considera que os indivíduos são automotivados e buscam o crescimento e desenvolvimento profissional, o que sugere que a liderança deve valorizar o crescimento pessoal e profissional e a autonomia das pessoas.

33. Item errado. O modelo de liderança situacional é uma abordagem contingencial (e não comportamental) e considera maturidade dos subordinados, mas não considera competência ou motivação no processo de liderança.

34. Item certo. Item visto em aula.
35. Item certo. Item visto em aula.
36. Item certo. Item visto em aula.
37. Item certo. Item visto em aula.
38. Item certo. Item visto em aula.
39. Item certo. Item visto em aula.
40. Item errado. Item visto em aula.
41. Item errado. Item visto em aula.
42. Item errado. Item visto em aula.
43. Item errado. Item visto em aula.
44. Item certo. Item visto em aula.
45. Item certo. Item visto em aula.
46. Item certo. Item visto em aula.
47. Item errado. Item visto em aula.
48. Item certo. Item visto em aula.
49. Item errado. Item visto em aula.
50. Item errado. Item visto em aula.
51. Item errado. Item visto em aula.
52. Item errado. Item visto em aula.
53. Item certo. Item visto em aula.
54. Item certo. Item visto em aula.
55. Item certo. Item visto em aula.
56. Item certo. Item visto em aula.
57. Item certo. Item visto em aula.
58. Item errado. Item visto em aula.
59. Item certo. Item visto em aula.
60. Item errado. Item visto em aula.
61. Item errado. Item visto em aula.
62. Item errado. Item visto em aula.
63. Item errado. Item visto em aula.
64. Item errado. Item visto em aula.
65. Item errado. Item visto em aula.
66. Item certo. Item visto em aula.

Leave a Reply